1973 | BRASIL | 85 min
24 A 26 SETEMBRO
___________________ 

OS HOMENS QUE EU TIVE
(Tereza Trautman)


Pity leva uma vida alegre com seu marido Dode e seu namorado Sílvio. Ela procura entender seus próprios desejos e buscar formas de saciá-los.



26 SETEMBRO | 18H
____________________ 

DEBATE
com Roberta Veiga
mediação de Amanda Devulsky 

Roberta Veiga
Roberta Veiga é doutora em Comunicação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), professora adjunta do Departamento de Comunicação e do Programa de Pós-Graduação (PPGCOM-UFMG). Editora da Revista Devires – Cinema e Humanidades; integra o comitê científico do Forumdoc.bh. É coordenadora do grupo de pesquisa Poéticas Femininas, Políticas Feminista (UFMG-Cnpq); Coordenadora do GT Estudos de Cinema, Fotografia e Audiovisual da COMPÓS (Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação); e co-coordenadora do ST Cinemas mundiais entre mulheres: feminismos contemporâneos em perspectiva da SOCINE (Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual). Introduziu e leciona a disciplina Cinema e Feminismo na graduação, e Estéticas Feministas Nothing Happens: Chantal Akerman’s Hyperrealist Everyday, de Ivone Margulies; autora de vários artigos que tratam o cinema numa abordagem feminista e capítulos nos livros: Feminismo no PPGCOM-UFMG (Linha de Pesquisa Pragmáticas da Imagem). Tradutora do livro e Plural: mulheres no cinema brasileiro; Corpo e Cultura Digital: diálogos interdisciplinares; Afectos, historia y cultura visual. Una aproximación (in)disciplinada; e Mulheres de Cinema.
Amanda Devulsky
Amanda Devulsky é cineasta e artista. Seus trabalhos foram exibidos no 30º Cinélatino Rencontres de Toulouse, 21º Festival de Cinema Luso-Brasileiro de Santa Maria da Feira, 22º Mostra de Cinema de Tiradentes, Besides The Screen International Conference, aarea.co, entre outros. É mestra em Processos Artísticos Contemporâneos pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e, atualmente, pesquisa preservação de arquivo na Elías Querejeta Zine Eskola. Em 2015, integrou a criação do Verberenas, revista independente colaborativa focada em textos de mulheres realizadoras no Brasil, atuando desde então como editora-chefe e curadora.